Uma viagem pelo lado selvagem da Irlanda: a Ireland’s Wild Atlantic Way

A costa atlântica da Irlanda é muito conhecida pela sua beleza selvagem, mas foi só em 2014 que começou a ser promovida com sinalização específica e organizada naquilo que viria a ser a maior rota costeira definida do mundo.

 

É possível passar um mês a percorrer de carro os seus 2500 quilómetros, que se estendem da Península de Inishowen, em Donegal, a zona costeira ocidental da Irlanda, até Kinsale, em County Cork, sendo que ainda desejaria ter mais tempo para realmente conseguir ver tudo o que há para ver.

 

A maior parte das pessoas não faz o trajecto completo de uma vez, preferindo entrar e sair da rota, ou fazer algumas viagens até à zona ocidental, completando a rota por fases. Eu nunca fiz a viagem completa de uma vez, mas já visitei sítios suficientes ao longo da rota para saber que, seja qual for a parte que escolher, vai divertir-se imenso. A Irlanda é assim, muito divertida.

 

A sério! Marque os seus voos, alugue um carro e veja com os seus próprios olhos. Estas são algumas das coisas mais fantásticas que pode fazer ao longo da Ireland’s Wild Atlantic Way.

Assistir à aurora boreal em Donegal

Uma das muitas imagens incríveis da Irlanda, da autoria de Adam Rory Porter

OK, é evidente que não é garantido que consiga assistir à aurora boreal, já que depende muito do estado do tempo e se a aurora boreal decide aparecer. Não tenha demasiadas expectativas, porque o céu tem vontade própria.

 

Contudo, há formas de aumentar as probabilidades de ver este grande espectáculo. Visite o Aurora Service, onde poderá ter uma previsão relativamente correcta da força da aurora boreal.

 

Se der por si no topo da Irlanda sem as luzes celestes, também não preocupe muito. Afinal de contas, está em Inishowen, um local de beleza épica, com ou sem aurora boreal.

Grianán of Aileach, Co Donegal

Imagem: Adam Rory Porter Photography

Está a ver? Na Península de Inishowen, encontra-se o Grianán of Aileach, um forte em forma de anel. Em ruínas, foi reconstruído no século XIX, mas a sua renovação moderna não lhe retira de forma alguma a aura histórica e mística que vai sentir ao visitá-lo.

 

É um local encantado, com imensos elementos típicos da história, mitos e lendas irlandeses, sendo também um sítio espectacular para visitar, se quiser saborear um pouco da Irlanda dos tempos antigos.

 

A localização do forte, no topo de Greenan Hill, significa que, além da história e do mistério que dele emanam, vai poder desfrutar de vistas panorâmicas de Lough Foyle, Lough Swilly e da zona rural Donegal que o rodeia.

Comer quantidades industriais de marisco e peixe

Numa rota de 2500 quilómetros ao longo da costa atlântica da Irlanda, não é surpresa nenhuma saber que pode comer marisco e peixe fantásticos durante a sua viagem.

 

Historicamente, a Irlanda nunca teve uma “gastronomia” que atraísse as pessoas da mesma forma que as suas congéneres francesa e italiana.

 

No entanto, o que a gastronomia irlandesa tem é uma matéria-prima incrível para confeccionar comida de topo, assim como uma cena gastronómica fervilhante, que explodiu em popularidade nas últimas décadas.

 

Não importa onde faça paragens na rota atlântica: faça a sua pesquisa, encontre o melhor restaurante local e certifique-se de que prova algum desse marisco e peixe frescos do Atlântico selvagem.

A galope pela praia num pónei de Connemara

E porque é que não haveria de o fazer? Não importa se não sabe andar a galope: basta cavalgar, andar a trote ou arrastar-se.

 

A ideia aqui é dar um passeio pelas incríveis praias de areia branca de Connemara, montado num dos belos póneis nativos de Connemara.

 

Eu fi-lo montada num fogoso pónei chamado Monty, da empresa The Point Pony Trekking, num belo dia solarengo de Setembro em Ballyconneely.

 

Esta é, sinceramente, uma das minhas recordações preferidas de sempre. Deslizar pela praia, com o vento do Atlântico na cara e o mar brilhante mesmo ao seu lado vai fazer com que se apaixone ainda mais pela Irlanda, muito mais do que poderia imaginar.

Percorrer Inis Mór de bicicleta

Se tiver tempo para visitar todas as ilhas de Aran, faça-o. Contudo, se só puder visitar uma delas, o meu conselho é que vá a Inis Mór e alugue uma bicicleta, por apenas 10 € por dia.

 

Vai encontrar um percurso de bicicleta que é muito fácil e bonito, que passa pelo famoso forte de Dun Aonghasa, datado da Idade do Bronze.

 

Se a sua precária localização mesmo à beira da falésia não o/a maravilhar, certamente que imaginar os esforços necessários para o construir vão impressioná-lo/a.

 

Visite o forte e depois tente encontrar o “buraco da minhoca” [“The Wormhole”], sendo que essa não vai ser tarefa fácil. Se o encontrar, celebre a sua descoberta com uma pint de Guinness no The Bar, quando regressar à vila.

 

Se não o encontrar, afogue as suas mágoas com uma pint de Guinness no The Bar, quando regressar à vila.

Vertigens nos Penhascos de Moher

Os Penhascos de Moher são a atracção por excelência de toda a rota atlântica irlandesa. É o local mais visitado, o mais dramático e aquele que engloba perfeitamente todas as coisas que ouviu sobre a Irlanda ser um país misterioso, mítico, verde, rural e selvagem.

 

Os penhascos atingem uma altura máxima de 214 metros, sendo algo de cortar a respiração. Dê um passeio até Hag’s Head (a ponta mais a sul dos penhascos) e simplesmente desfrute da paisagem incrível.

 

Há zonas onde as bordas dos penhascos são instáveis, por isso tenha cuidado ao aproximar-se. Também é aconselhável ter cuidado quando o vento é muito forte.

 

No entanto, vá visitá-los, mesmo que a altitude lhe cause vertigens. Os Penhascos de Moher são fenomenais.

Fazer surf em Lahinch

No paraíso. Imagem: Ben’s Surf Clinic

É provável que ache que os melhores sítios para fazer surf são normalmente locais tropicais, com o sol a brilhar, rodeado de coqueiros e de gente que usa “meu” e “minha” como interjeições.

 

Ora bem, ninguém usa “meu” e “minha” como interjeições em Lahinch e o que mais se assemelha a um coqueiro ali é uma barra de chocolate Bounty. Contudo, as condições para fazer surf ali são fantásticas; por isso, enfie-se dentro de um fato impermeável de qualidade e aventure-se no Atlântico selvagem.

 

É do melhor que há. A praia é enorme, com ondas pequenas e diversas escolas de surf, o que faz deste sítio um bom ponto de partida para iniciantes e para quem já sabe alguma coisa deste desporto poder melhorar a sua prática.

 

Eu fui à Ben’s Surf Clinic. um sítio excelente. No entanto, os surfistas mais experimentados podem encontrar swells maiores e mais desafiantes. À noite, vá tomar umas pints e ouvir boa música ao vivo no Kenny’s Bar.

Observar as estrelas em Kerry

Kerry é uma Reserva Internacional “Dark Sky” [céu escuro], o que quer dizer que o céu nocturno ali é muito bom para quem gosta de observar as estrelas.

 

Na verdade, trata-se de um dois-em-um: a bela e intocada paisagem terrestre de Kerry traduz-se numa igualmente bela e intocada paisagem celeste, sem poluição luminosa.

 

Assim, as estrelas destacam-se de forma intensa no céu. Certifique-se de que o faz numa noite de lua nova, quando o céu está mais escuro, se quiser viver uma experiência astronómica sem limites.

Ver baleias em Baltimore, Cork

Sim, é possível ver todo o tipo de mamíferos marinhos a passear na costa de West Cork. Faça um safari marinho a partir do porto de Baltimore, com a Whale Watch West Cork, e faça uma lista de quantos destes animais consegue ver.

 

Dependendo da altura do ano, poderá ver desde golfinhos a peixes-lua e baleias-corcunda. É fantástico vê-los em estado selvagem, a viver a sua vida.

 

As baleias são muito parecidas com a aurora boreal, já que só aparecem quando querem, não sendo 100% garantido que as vai conseguir ver. Tenha paciência, porque vai acabar por valer a pena...

 

- Dee Murray